cadastro.asp

Ecologizar as Empresas

Vilmar Berna*    

"Nós não herdamos a terra de nossos pais, mas a pegamos de empréstimo de nossos filhos." Henry Brown

    A questão ambiental é uma realidade que chegou definitivamente às empresas modernas. Deixou de ser um assunto de ambientalistas "eco-chatos" ou de românticos, para se converter em SGA (Sistema de Gestão Ambiental), PGA (Programa de Gestão Ambiental), ISO 14.001 e outras siglas herméticas. E não se trata de um tardio despertar de consciência ecológica dos empresários e gerentes, mas uma estratégia de negócio, por que pode significar vantagens competitivas ao promover a melhoria contínua dos resultados ambientais da Empresa; minimizar os impactos ambientais de suas atividades; tornar todas as operações tão ecologicamente corretas quanto possível. Com isso, a empresa ecológica estará se antecipando às auditorias ambientais públicas além de promover a redução de custos e riscos com a melhoria de processos e a racionalização de consumo de matérias-primas; diminuição do consumo de energia e água e redução de riscos de multas e responsabilização por danos ambientais.
    O problema é que, segundo pesquisa da Symnetics, com empresas de faturamento entre R$ 200 milhões e R$ 500 milhões, planos estratégicos da empresa, como a Política Ambiental, acaba ficando mais na cabeça da alta administração, que não consegue passar o recado para os seus subordinados. E até mesmo na alta administração das companhias, há quem não saiba traduzir a mensagem do Presidente. A pesquisa apontou que 5% da alta administração não sabe qual a visão de futuro da empresa. Descendo na estrutura hierárquica, a miopia se acentua. O estudo indica que 14% da média gerência sequer entende o planejamento da empresa e 48% tem uma compreensão mediana. No nível operacional, a situação é ainda pior. A pesquisa constatou que 38% dos operários não têm idéia de quais sejam as metas futuras da organização e 43% têm uma vaga idéia do que se trata.
    A solução é investir em programas de conscientização e sensibilização dos funcionários para as políticas da empresa, especialmente a ambiental, já que consciência ambiental não se dá por portaria ou de cima para baixo, mas de dentro para fora. Neste sentido, não basta implantar uma boa Política Ambiental ou obter a ISO 14.001. É preciso, antes, estimular e sensibilizar os funcionários, prestadores de serviços e fornecedores a desejarem "ecologizar" o trabalho, não por que a direção da empresa quer ou determinou, mas por que a adoção de princípios ambientais pode ser uma oportunidade para que os trabalhadores possam dar uma contribuição concreta, em seu próprio ambiente de trabalho, para a melhoria das condições do Planeta. Mais que uma exigência da Direção, portanto, é uma oportunidade da qual os trabalhadores poderão se orgulhar junto a sua família e à comunidade, ao se revelarem os resultados positivos do trabalho ambiental desenvolvido na empresa. Neste sentido, vale a pena todo o esforço da Empresa para sensibilizar e mobilizar seus funcionários, tais como palestras com ambientalistas, distribuição gratuita de assinaturas de jornais especializados em meio ambiente, encontros com escritores para autógrafos a livros com tema ambiental, distribuição de boletins por intranet ou fotocópia com informações sobre a Política de Gestão Ambiental, entre outras iniciativas. Uma delas pode ser a distribuição dos Dez Mandamentos Ambientais.
    Nossa espécie tem usado mais a capacidade de modificar o meio ambiente para piorar as coisas que para melhorar. Agora precisamos fazer o contrário, para nossa própria sobrevivência. Reveja seu dia-a-dia e tome as atitudes ecológicas que julgar mais corretas e adequadas. Não espere que alguém venha fazer isso por você. Faça você mesmo.
  1 - Estabeleça princípios ambientalistas
    Estabeleça compromissos, padrões ambientais que incluam metas possíveis de serem alcançadas.

  2 - Faça uma investigação de recursos e processos
    Verifique os recursos utilizados e o resíduo gerado. Confira se há desperdício de matéria-prima e até mesmo de esforço humano. A meta será encontrar meios para reduzir o uso de recursos e o desperdício.

  3 - Estabeleça uma política ecológica de compras
    Priorize a compra de produtos ambientalmente corretos. Existem certos produtos que não se degradam na natureza. Procure certificar-se, ao comprar estes produtos, de que são biodegradáveis. Procure por produtos que sejam mais duráveis, de melhor qualidade, recicláveis ou que possam ser reutilizáveis. Evite produtos descartáveis não reciclados como canetas, utensílios para consumo de alimentos, copos de papel, etc.

  4 - Incentive seus colegas
    Fale com todos a sua volta sobre a importância de agirem de forma ambientalmente correta. Sugira e participe de programas de incentivo como a nomeação periódica de um "campeão ambiental" para aqueles que se destacam na busca de formas alternativas de combate ao desperdício e práticas poluentes.

  5 - Não Desperdice
    Ajude a implantar e participe da coleta seletiva de lixo. Você estará contribuindo para poupar os recursos naturais, aumentar a vida útil dos depósitos de lixo, diminuir a poluição. Investigue desperdício com energia e água. Localize e repare os vazamentos de torneiras. Desligue lâmpadas e equipamentos quando não estiver utilizando. Mantenha os filtros do sistema de ar-condicionado e ventilação sempre limpos para evitar desperdício de energia elétrica. Use os dois lados do papel, prefira o e-mail ao invés de imprimir cópias e guarde seus documentos em disquetes, substituindo o uso do papel ao máximo. Promova o uso de transporte alternativo ou solidário, como planejar um rodízio de automóveis para que as pessoas viajem juntas ou para que usem bicicletas, transporte público ou mesmo caminhem para o trabalho. Considere o trabalho à distância, quando apropriado, permitindo que funcionários trabalhem em suas casas pelo menos um dia na semana utilizando correio eletrônico, linhas extras de telefone e outras tecnologias de baixo custo para permitir que os funcionários se comuniquem de suas residências com o trabalho.

  6 - Evite Poluir Seu Meio Ambiente
    Faça uma avaliação criteriosa e identifique as possibilidades de diminuir o uso de produtos tóxicos. Converse com fornecedores sobre alternativas para a substituição de solventes, tintas e outros produtos tóxicos. Faça um plano de descarte, incluindo até o que não aparenta ser prejudicial como pilhas e baterias, cartuchos de tintas de impressoras, etc. Faça a regulagem do motor dos veículos regularmente e mantenha a pressão dos pneus nos níveis recomendáveis. Assegure-se que o óleo dos veículos está sendo descartado da maneira correta pelos mecânicos.

  7 - Evite riscos
    Verifique cuidadosamente todas as possibilidades de riscos de acidentes ambientais e tome a iniciativa ou participe do esforço para minimizar seus efeitos. Não espere acontecer um problema para só aí se preparar para resolver. Participe de treinamentos e da preparação para emergências.

  8 - Anote seus resultados
    Registre cuidadosamente suas metas ambientais e os resultados alcançados. Isso ajuda não só que você se mantenha estimulado como permite avaliar as vantagens das medidas ambientais adotadas.

  9 - Comunique-se
    No caso de problemas que possam prejudicar seu vizinho ou outras pessoas, tome a iniciativa de informar em tempo hábil para que possam minimizar prejuízos. Busque manter uma atitude de diálogo com o outro.

  10 - Arranje tempo para o trabalho voluntário
    Não adianta você ficar só estudando e conhecendo mais sobre a natureza. É preciso combinar estudo e reflexão com ação. Considere a possibilidade de dedicar uma parte do seu tempo, habilidade e talento para o trabalho voluntário ambiental a fim de fazer a diferença dando uma contribuição concreta e efetiva para a melhoria da vida do planeta. Você pode, por exemplo, cuidar de uma árvore, organizar e participar de mutirões ecológicos de limpeza e recuperação de ecossistemas e áreas de preservação degradados, resgatar e recuperar animais atingidos por acidentes ecológicos ou mesmo abandonados na rua, redigir um projeto que permita obter recursos para a manutenção de um parque ou mesmo para viabilizar uma solução para problema ambiental, fazer palestras em escolas, etc.

  * Vilmar Berna é consultor ambiental e editor do Jornal do Meio Ambiente. Em 1999, foi o único brasileiro homenageado pela ONU com o Prêmio Global 500 Para o Meio Ambiente - (21) 610-2272/73654 vilmarberna@jornal-do-meio-ambiente.com.br

  Consulte o banco de dados da Rede CTA-UJGOIAS O Universo Jurídico do Estado de Goiás
http://www.ujgoias.com.br - ujgoias@ujgoias.com.br

Rede CTA-Consultant, Trader and Adviser
Pelo Desenvolvimento Limpo de um Novo Mercado Financeiro! Sindicato dos Economistas, no Estado de São Paulo amyra@netdoctors.com.br - www.sindecon-esp.org.br


 

 


- A interiorização do sisema com a regionalização dos COPAM’s   ( Marcos Alves de Magalhães )
- Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável- CMDRS   ( Junia Marise Matos de Sousa )
- É duro preservar   ( Maria Tereza Jorge Pádua - Fonte: O Eco  )
- Direito ambiental: Defensor ou vilão?   ( Leonardo Salvador Passafaro Jr. )
- Tempo de degradação de materiais descartados no meio ambiente   ( Marcos Alves de Magalhães )
- Novas Fronteiras do Conhecimento e os Desafios da Biogrilagem   ( Benny Spiewak )
- O que são Créditos de Carbono?   ( Amyra El Khalili )
- Sugestões para o desenvolvimento do ecoturismo no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e seu entorno.   ( Cássio Alessandro Teixeira Lopes  )
- Valoração ambiental   ( João Fernando Marques )
- Meio Ambiente versus Direitos Humanos   ( Sidney Grippi * )
- O Mercado e o Meio Ambiente   ( Arthur Soffiati* )
- A Imunidade Ambiental que não deve existir   ( Sidney Jose da Silva Grippi* )
- Como pode a Internet trabalhar   ( José Manoel Biagi Amorim* )
- Diversidade Tropical e Conservação   ( Sérgio Fonseca Mattos & Lucilene Batittucci Oliveira*  )
- Ecologizar as Empresas   ( Vilmar Berna*  )
- A tormenta das águas em solo urbano: uma tragédia anunciada   ( Edmar Augusto Vieira * )
- O avanço da certificação florestal   ( Regina Vasquez* )
- Certificação de Produtos Florestais   ( Sebastião Kengen* )
- Quem é o dono da água?   ( Amyra El Khalili*  )
- A quebra de paradigmas   ( Anderson José Pisaniello*  )
- Relatório - Estado do Mundo 2000   ( Eduardo Athayde*  )
- O que aprendi na Floresta Tropical   ( Tachi Kiuchi - Tradução Maria do Carmo Zinato*  )
- Na Gestão de Bacias Hidrográficas, é preciso respeitar o espírito da Lei 9433   ( Airton Bodstein de Barros*  )
- Duras lições da Era de Construção de Represas do EUA   ( *Daniel P. Beard e tradução: Maria do Carmo Zinato  )
- Consevação ou preservação?   ( *Suzana M. Padua, Luiz Carlos Aceti Jr., Mª Vitória F. Tomé  )
- Água, Fotografia e Consumo Sustentável   ( *Deborah Eliane Andrade Munhoz  )
- Caminhos   ( Maria Vitória Ferrari Tomé* e Luiz Eduardo F. Fontes** )
- Gestão compartilhada dos recursos hídricos X anacronismo   ( *Franklin de Paula Júnior )
- O Brasil precisa de um Instituto de Direito Ambiental   ( *Luiz Carlos Aceti Júnior  )
- Educação Ambiental   ( *Maria Vitória Ferrari Tomé )
- Questão Ambiental: Riscos e Oportunidades às Organizações   ( *Aurea Maria Brandi Nardelli  )
- Poluição Visual   ( *Dra. Ignez Conceição Ninni Ramos )
- Água   ( *Dr. Luiz Carlos Aceti Jr. **Dra. Mª Flávia C. Reis )
- Meio Ambiente Urbano - As Cidades e a População   ( *Dr. Luiz Carlos Aceti Jr. **Dra. Mª Flávia C. Reis )
- Quem paga a conta?   ( *Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior )
- Olhos de anjos   ( João Rafael Picardi Neto )
- A FLORESTA ALÉM DAS ÁRVORES   ( Vilmar Berna* )
- O Benefício dos Sistemas Agroflorestais   ( Elisabete Lima )
- A incrível tragédia geotécnica/ambiental das Zonas de Expansão Urbana da Metrópole Paulistana   ( Álvaro Rodrigues dos Santos (*) )